sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

POESIA: LÁGRIMA, ARDÊNCIA DAS FLORES...

                        UMA LÁGRIMA
                                   Jorge Bichuetti

uma lágrima caiu do azul, infinito
encontro entre a dor da vida e a
contorsões da humanidade que de
viver sem sonhos caminha sempre
não sabendo como conter o pranto
como já sabe despertar encantos:
um canto de fé e luta na esquina do tempo...


                                       EU CANTO
                                               Jorge Bichuetti

Penso que chorando, canto;
assim, sigo... buscando além
num porão de espinhos aquela rosa
que, um dia, na janela silenciosa falava
que a vida era bela, o amor imortal...

Eu canto na teimosia de não
aceitando o punhal no pescoço
que sufoca os sonhos da vida,
escolher nas manhãs do novo dia
a companhia dos passarinhos vadios
que tecem flores e magias na ternura
da alvorada rompendo as trevas só
para dizer, na força do carinho, bom dia...


ENTRE PEDRAS, FLORES...

13 comentários:

Miriam disse...

Jorge, como eu deixei recado com o Pierre por meio da secretaria eletrônica e tb msg no celular dele, e não obtive resposta até hoje, estou preocupada com você. Observei que você saiu do facebook. Gostaria de saber como você está de saúde e emocionalmente. Escrevo como amiga e não como paciente. Esta msg não deve ser publicada. Gostaria de vê-lo, conversar com você, mesmo eu estando melhor. Abraço com carinho! Miriam Siqueira Cunha

Miriam disse...

Jorge, como eu deixei recado com o Pierre por meio da secretaria eletrônica e tb msg no celular dele, e não obtive resposta até hoje, estou preocupada com você. Observei que você saiu do facebook. Gostaria de saber como você está de saúde e emocionalmente. Escrevo como amiga e não como paciente. Esta msg não deve ser publicada. Gostaria de vê-lo, conversar com você, mesmo eu estando melhor. Abraço com carinho! Miriam Siqueira Cunha

Miriam disse...

Jorge, como eu deixei recado com o Pierre por meio da secretaria eletrônica e tb msg no celular dele, e não obtive resposta até hoje, estou preocupada com você. Observei que você saiu do facebook. Gostaria de saber como você está de saúde e emocionalmente. Escrevo como amiga e não como paciente. Esta msg não deve ser publicada. Gostaria de vê-lo, conversar com você, mesmo eu estando melhor. Abraço com carinho! Miriam Siqueira Cunha

Miriam disse...

Jorge, como eu deixei recado com o Pierre por meio da secretaria eletrônica e tb msg no celular dele, e não obtive resposta até hoje, estou preocupada com você. Observei que você saiu do facebook. Gostaria de saber como você está de saúde e emocionalmente. Escrevo como amiga e não como paciente. Esta msg não deve ser publicada. Gostaria de vê-lo, conversar com você, mesmo eu estando melhor. Abraço com carinho! Miriam Siqueira Cunha

Miriam disse...

Jorge, como eu deixei recado com o Pierre por meio da secretaria eletrônica e tb msg no celular dele, e não obtive resposta até hoje, estou preocupada com você. Observei que você saiu do facebook. Gostaria de saber como você está de saúde e emocionalmente. Escrevo como amiga e não como paciente. Esta msg não deve ser publicada. Gostaria de vê-lo, conversar com você, mesmo eu estando melhor. Abraço com carinho! Miriam Siqueira Cunha

Miriam disse...

Jorge, como eu deixei recado com o Pierre por meio da secretaria eletrônica e tb msg no celular dele, e não obtive resposta até hoje, estou preocupada com você. Observei que você saiu do facebook. Gostaria de saber como você está de saúde e emocionalmente. Escrevo como amiga e não como paciente. Esta msg não deve ser publicada. Gostaria de vê-lo, conversar com você, mesmo eu estando melhor. Abraço com carinho! Miriam Siqueira Cunha

Metalurgia das letras disse...

Volte Logo amigo! Seu espaço continua vazio em nossos corações... Saudades suas também!

Anônimo disse...

"Os jornais não vão dizer que foram horas de manifestação pacífica, desde a Paulista até o terminal parque Dom Pedro.

Os jornais não vão dizer que a passeata seguiu o caminho praticamente delimitado pela força policial até ser encurralado em frente ao terminal.

Os jornais não vão dizer que após encurralar uma massa de 20 mil pessoas na frente do terminal, a incompetente força policial do estado de São Paulo atirou bombas de gás lacrimogênio no meio da multidão, gerando correria e colocando a vida de muitas pessoas em sério risco.

Os jornais não vão mostrar que o povo voltou cantando, unido, com apoio popular das janelas dos prédios, aplausos e tudo mais até a praça da Sé.

Eles não vão dizer que ao tentar se reunir novamente na praça da Sé, o povo foi atacado covardemente pela tropa de choque em frente à Catedral sem motivo algum aparente.

Nos jornais não vai aparecer que a partir daí a tropa de Choque realizou uma caça indiscriminada a qualquer transeunte, indo muito além do simples dispersar e controlar.

Nos jornais só vai aparecer que essa caça resultou na prisão de um repórter e de um fotógrafo da grande mídia.

Eles não vão contabilizar os manifestantes feridos, espancados pela polícia, machucados por estilhaços de bomba.

Os jornais só vão mostrar os policiais feridos, como se eles tivessem sido simplesmente atacados.

Esses jornais só vão falar de vandalismo, como se isso resumisse o ato, esquecendo toda a marcha.

Os jornais não vão mostrar que o povo fugiu novamente, agora da Sé, rumo à av. Paulista, já furiosos para serem atacados em frente ao MASP de forma covarde e com armadilhas preparadas nas ruas em volta, de forma que o povo não tivesse para onde fugir sem ser atingido pelos ataques da polícia.

Os jornais não vão dizer que todo o vandalismo se concentrou em bancos e propriedades que representam o Estado.

Eles só vão mostrar uma visão simplista, classificando os atos como puro vandalismo sem propósito, escondendo a real motivação de tanta revolta.

Eles nunca vão falar que se trata de uma juventude cansada da opressão do Estado e da ditadura do sistema financeiro.

Os jornais não vão dizer que a juventude não tem perspectiva de um futuro além de se amassar em caixotes com rodas todas as manhãs indo para um trabalho que não gostam, pagar caro por isso, em troca de um salário que mal paga habitação e alimentação.

Eles nunca vão dizer que a especulação imobiliária afastou o povo trabalhador do grande centro, obrigando a necessidade de horas de deslocamento até os locais de trabalho.

A mídia corporativa já não quer informar, quer manter a ordem do sistema vigente, o tão dito 'status quo'.

Violenta é a mídia que é incapaz de ver o ser humano quando isto não vai ao encontro de seus interesses corporativos.

Violenta é a mídia.
Violento é esse sistema doente."

NessunAltro disse...

Signor Bichuetti,

My name is Paweł Siek, I'm polish composer, student of composition at Academy of Music in Cracow and Conservatorio di musica G. Verdi di Milano.

Nowadays I'm composing a ballet. It will have a premiere on October 2013 in New Theatre of Cracow. The scenario will be connected with brasilian sugarcane, harvings, burning of sugarcane fields etc. I will use some poems, articles about it etc. but all of them will be presented in morse code (orchestra will play rhytms witch will imitate morse code).

I'm really impressed with Your poem "Cana" witch I've found here on Your blog. I would like to use it (presented in morse code) in the first part of the ballet - also with choreografy - dancers will imitate burning sugarcane field.

I would like to ask You for Yours permission to use Your poem in my composition. Off course I would add Your name in the programme of concert as well as I will share with You a link to video registration of the piece.

If you would like to listen some of my compositions - here's my profiles:
https://soundcloud.com/pawe-siek and http://www.youtube.com/user/Pawels233?feature=mhee

Best wishes,
Paweł Siek

Gilberto Fernandes Teixeira Teixeira disse...

Apenas Volte... Jorge! Ser Bem vindo! Saudades!

Gilberto Fernandes Teixeira Teixeira disse...

Apenas Volte... Jorge! Ser Bem vindo! Saudades!

Evanir disse...

Com muito carinho
venho desejar um final de semana abençoado
e muito feliz.
Peço desculpas pela minha ausência
infelizmente foi por impossibilidade
de fazer visitas.
Acredite falta de vontade não foi
falta de saudades também não foi
na vida nem tudo é como a gente quer.
E sim quando Deus nos permite.
Agradeço a você pela sua amizade
que sempre me ajudou a ser feliz.
Amo pessoa como você sempre ,
e sua presença também me ajuda a superar obstáculos.
Deixo meu carinho
e agradecimento.
Beijos no coração afagos na alma.
Evanir.

Alê Martins disse...

Há gostei
vou continuar lendo.
Será que vem novas publicações?