quarta-feira, 1 de junho de 2011

DIÁRIO DE BORDO: NOSSOS CAMPANHEIROS DE VIAGEM...

                                                           Jorge Bichuetti

Céu estrelado; frio... A madrugada revela o oculto inverno... Levantei e vi a Luínha se aninhando entre os cobertores e percebi na sua preguiça matinal que o inverno havia chegado; porém, para meu espanto, assim, que iniciei meu trabalho a notei comigo, vencendo o cansaço e o frio, veio me fazer companhia...
Lá fora, o céu cheio de estrelas, o perfume da terra molhada e as rosas mostram-se num sublime encantamento... Do limoeiro, extrai meu bom dia num delicioso suco... E aqui estou... Sorridente, recordo a noite passada... Amigos, canções, u'a poesia...
Ontem, um amigo de todos os dias, viu e já duvida de que a Luínha se esconde amuada debaixo do computador quando eu me preparo pra sair... Todavia, sua fidelidade é implacável, se chego, esquece o mal humor e a tristeza e pronta inicia a festa...
Me perguntaram na noite , como eu consigo produzir, lutar, sonhar e ser feliz...
Não sou especial; nem tão culto... Ando com boas companhias...
A vida é passagem, travessia, viagem... E somos o efeito das escolhas que fazemos no trajeto da nossa caminhada...
Agora, vejo-me... Eu e meus livros; eu meus discos; eu e a Luínha; eu e meu trabalho; eu e  meus amigos; eu e meus sonhos... O belo e o rico da minha vida nasce das minhas companhias...
No trabalho com a loucura, com o sofrimento mental , eu me descubro humanidade: vulnerável, mutante, singular.. Aprendo a amar e a respeitar a diferença... E, assim, inclusão e inserção social não são temas cerebrais; estão na minha pele.. Cada lágrima que enxugo, me leva a uma ternura remoçado com o outro e comigo mesmo... Louvo meus voos, respeito minhas quedas... Não me desejo onipotente, nem me cultivo narcisista... Brigo com meu ego... A Luta Antimanicomial me transformou. Devo a ela, minha companhia inseparável, grandes descobertas... Devo a ela, sentir entre lágrimas e risos as afirmações de Nietzsche: "só quem suporta o caos e o frenesi é capaz de engravidar-se de um estrela bailarina"... " o belo no homem é que ele é um estar entre o animal e o além do homem... e o grandioso é que ele é um passar e um sucumbir"...
Pergunto, o que seria de mim sem a fé... na ternura, no singelo, na solidariedade, na liberdade e na justiça social... Estes valores éticos criam meu caminho; e são eles que são valorosos, são eles que me lembram no tédio e no cansaço, na angústia ena solidão que a vida me exige guerreiro...
Contudo, não percebo em mim, valor íntimo para alimentar estas companhias , se eu tivesse na minha viagem meus amigos, meus ícones, meus livros e discos...
Lorca, Pessoa, Bandeira, Rosa, Cartola... Estação Primeira da Mangueira... Chico e Bethânia... Cora Coralina...Espinoza, Nietzsche, Foucault, Deleuze-Guattari... Caiapós, Zumbi, Dom Hélder, Pedro Casaldáliga, Cazuza, Betinho... Milongas, tangos, Bach... Meu sambinha, meu chopinho... Chopin, Vivaldi...Uma legião urbana e um luar do sertão...
" Qualquer amor já e um cadinho de saúde um descanso na loucura - canta o Rosa e minhas rosas fazem coro... e com ele, eu me descubro desejando descansar na ciranda do amor... E se amamos, a vida se alegra...
Nas dores e derrotas, recito em voz alta o Poema da Linha Reta, e com Pessoa, esqueço as ilusões do mundo e me permito pessoa humana, tateando no caminho os experimentos do destino...
Quando o mundo exalta meu egoísmo, me escondo do mundo, ouvindo Mercedes Sosa e numa oração do vento peço " que a dor não me seja indiferente" e "que a morte não me encontre vazio e só , sem ter feito o suficiente"...
Assim, tenho plena consciência de que meu único valor é de escolher boas companhias...
Vejo nas minhas lágrimas o céu estrelado e as borboletas que vi com Quintana glorificando a beleza de u'a bolha de sabão...
Vejo nos meus pés cansados e nas minhas rugas, a leveza de Dona cora Coralina e com ela eu sigo, agradecendo à vida  a possibilidade de acender eu mesmo o fogão de lenha na amanhecer de cada dia que eu , numa utopia ativa, recomeço...
E é por isso, que de coração lhe digo, amigo, eu sou a sua companhia...

10 comentários:

Concha Rousia disse...

Ler-te me remoça para saber frente a meu eu, lembrar lutar com ele e suas fragilidades que o fazer querer crescer... Adorei encontrar este tema do Fred, ahhhhh amanhã vamos aqui em Compsotela a um concerto dele... depois a gente faz uma crónica, pois aqui amamos o nosso Fred tanto, tanto... Abraços com carinho, e admiração, Concha

No meu quintal 4

Se eu digo vem!
e ele vem
Se eu digo fica!
e ele fica...

Começo a pensar
que esse cão e eu
somos a mesma pessoa
...
E quando eu diga
vem !
e ele fique
eu entenderei
porque eu sei
que me contradigo.
Concha Rousia poeta da Galiza
Publicado no Recanto das Letras em 30/07/2010
Código do texto: T2407710

Mila Pires disse...

Jorge, é sempre muuuuuuuuuuuito bom passear por aqui...e saber que somos companheiros de viagem também !!
Abraços...com carinho e ternura...

Tânia Marques disse...

Jorge, você escreve coisas lindas, porque o seu interior (e exterior) é lindo também. Você não é um teórico do egoísmo, você é um pragmático da solidariedade. Você é luz na vida de muitas pessoas, você é isso tudo que você disse no seu diário e mais um milhão de coisas boas, ainda que talvez vc mesmo nem as perceba, mas eu percebo. Adorei o post sobre as linhas de fuga, graças a elas conseguimos a paz interior (sem ilusão) num mundo tão medíocre como é o nosso. Juro que eu queria estar bem pertinho de ti agora! Beijos iluminados! Te adoooro!

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Concha, como é linda a cantoria do Fred; ameie já o tenho como um farol... Escuto e leio suas poesias como se fosse uma ave e voasse pousando um árvore ancestral da céltica vida luminar... Abraços com carinho; jorge

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Mila, assim é... perdi minha vaidade e ganhei altivez quando descobri que era no entre das companhias que comigo seguiame segue esta viagem de sonhos, poesiae luares... Abraços com ternura, jorge Bichuetti

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Tânia, me sinto umcavalo onde ideiase sonhos perambulam... as transporta; poreém, as percebo como um bem coletivo; nosso, dos nossos sonhose das nossas viagens na travbessia utópica por um outro mundo possível Se você aqui estivesse; faria um café e leríamos poesia , vendo os álamos bailando como se soubessem dançar com a melodia dos sonhos, ritmando as utopias. Um forte e carinhoso abraço; Jorge bichuetti...

disse...

Lua Linda que saudade de você e do seu papaizinho!

Hermenêuticas de Lou disse...

Boa noite Dr. Olha eu aqui outravez. Sabe, eu sempre li seus textos e nas entrelinhas eu lia, lua, luinha, lua, então isso eu memorizei e eu fixei a imagem de uma gatinha. Mas eu amei saber agora que se trata de uma bela luinha canina. Meu sincero e afetuoso abraço. Lou Moonrise.

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Josie: vem nos visitar; a saudade nossa é grande também... Abraços com ternura; jorge

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Lou: sim, minha pequena criança canina que me acompanha nos sonhose nas lágrimas, nos voose no repouso é filha do luar; uma shiatsu, toda dengosa, vaidosa, gosta de brincar e de ser ninada.
Abraços com ternura; jorge