quinta-feira, 9 de junho de 2011

CLUBE DOS POETAS VIVOS - UM MOVIMENTO DA ARTE NO ESTRADEAR INSURGENTE DA GALIZA...

Um movimento da arte que nos revela que a solidariedade a amizade na rebeldia de se reinventar é o caminho para construir com as próprias mãos um sentido para a vida e uma caminhada de luta -solidariedade -arte e libertação
                  
    MANIFESTO DO CLUBE DOS POETAS VIVOS

Somos o clube das poetas e dos poetas vivos, (como alguém disse uma vez). Respeitamos a palavra como forma autêntica apegada à vida, como vida da vida com vida própria, porque a palavra primeiro foi rio, logo mar, mais tarde montanha e voz. Por isso nos comprometemos, hoje, com a palavra para fazer dela curso verdadeiro, fala e coração.Somos o clube das poetas e dos poetas vivos, (como alguém disse uma vez), não reconhecemos fronteiras que separem por cobiça a um e outro ser, não reconhecemos estados que nos dividam para nos escravizar, não reconhecemos guerras que nos matem para delas se beneficiarem os que dividem o mundo e não respeitam culturas nem o direito a ser diferente na diversa riqueza universal, e só habitam para semear o ódio.Somos o clube das poetas e dos poetas vivos, (como alguém disse uma vez), aplicamos a palavra contra todo esquecimento. E falamos em alto, conversas demoradas com nossa Terra Mãe, que nos deu o berço, a lua, a língua que é verbo feito amor para comunicar livres aos filhos, as filhas, na alegria e na dor.É a Mãe Terra quem por nós fala, clama: nos chama através do vento poluído ferindo a entranha da nossa paixão, nos chama através das águas que morrem gelando a vida à nossa volta, nos berra nas árvores queimadas intoxicando o sonho, contrariando a alegre visão, grita na voz dos e das que não têm voz e inventa em nós a palavra primeira que incita a rebelião: NUNCA MAIS !É a palavra da Mãe Terra que fala na nossa língua, vive na nossa língua, chora e morre na própria língua quando esta é contaminada de palavras alheias que a sufocam e a matam. Por isso o compromisso com a língua é o compromisso com a vida, como a vida dum povo. Com uma forma de ser, uma forma de ver e sentir o próprio mundo. Por isso, nós, poetas, respeitamos e legamos a voz que vem das mães, das avós, dos pais e avós de nossos avós, por isso não submetemos a voz ao comércio do verbo, nem entregamos a fala em troca dum suposto parabém que nos calme a consciência. Por isso escrevemos na norma que une povos diversos, mais de 200 milhões de vozes nascidas neste ventre universal.Somos o clube das poetas e dos poetas vivos, (como alguém disse uma vez), e juramos não voltar os olhos quando a injustiça nos atinja.
Juramos pois:
1.      Não olhar para outro lado, quando o filho, a filha, sinta necessidade de verbo, de carne, de lembrança, da história que lhe foi roubada e juramos, a dia de hoje, para ele, e por ela, resgatá-la.
2.      Não olhar para outro lado quando a opressão em quaisquer das suas formas: de género, de classe, se apareça em suas diversas formas diante de nós.
3.      Não olhar para outro lado quando o dinheiro nos compra a alma, quando a barbárie de cimento nos transforma o litoral, nos esmagam as paisagens da infância, nos reduzem em guetos, nos castigam com a marginalização.
4.      Não olhar para outro lado enquanto sofrem à nossa frente persecução por
causa duma justiça sempre ao serviço de aqueles que nos maltratam a alma,
nos destruem o espírito, asfixiam em nós o amor.
5.      Não olhar para outro lado enquanto o mundo agoniza, os poucos se enriquecem, os muitos emagrecem, e morrem em suas guerras por sua voragem insaciável de ambição criminosa.
6.      Não olhar, nunca pois, para outro lado... como condição mínima para usar e prezar como um tesouro a palavra que e voz.
Somos o clube das poetas e dos poetas vivos, eis-la nossa promessa, e nosso é o dever de cumpri-la: levar a voz àqueles, àquelas que foram dela despossuídos, alcançar todos, todas juntas a dignidade que o tempo dos olhos nos borrou, enquanto dormíamos sem conta numa LONGA NOITE DE PEDRA que século a século nosso espírito secou.
Somos o clube das poetas e dos poetas vivos, resgatamos a dignidade a através da palavra, e a palavra nos obriga a sermos dignos também nós.
Clube dos Poetas Vivos 


do blog:republicaderousia.blogspot.com


          CLUBE DOS POETAS VIVOS (PONTE DA BARCA)

Crepúsculo de manhã de primavera,
Luz intensa que atravessa a escuridão,
Umbral p’r’os letrados de alta esfera,
“Background” só de boa narração,
Ergue bem alto o poema e a canção.

Dos poetas é na Barca pioneiro,
Orgulho dos barquenses de eleição,
Sob a égide de tão nobre timoneiro.

Ponte amiga, da mais bela tradição,
Olha em frente! Os poetas vão cantar,
Enleia o Lima no teu doce coração,
Tantaliza os que não querem escutar.
Acena aos peixes, já se ouve o violão,
Sussurra às aves, não as deixes chilrear.

Veste-se de gala perante o fado,
Inclina-se em frente aos cantadores,
Venera os poetas… os mais amados,
Ouve seus versos, aplaude os oradores.
Salve, sincero, oh Clube dos Letrados.
                            J D Lima Oliveira

Publicado no Recanto das Letras em 02/06/2009
Código do texto: T1628297

8 comentários:

Concha Rousia disse...

Jorge, meu querido amigo, grata sempre por dar asas as nosas palavras, sabes nossos recitais recebem o nome de 'vozes em liberdade' e este domingo vamos recitar em Compostela, vamos recitar no Centro Galego de Arte Contemporânea, este recitar mas um concerto de guitarra de Isabel Rei daqui da Galiza, é para fazer um convívio que organiza o Instituto Cultural Brasil Galiza com um grupo de escritores e artistas que chegam aqui no domingo vindos de Brasília... passaremos a tarde do domingo com eles e na segunda iremos fazer um roteiro cultural para que levem a Galiza mais viva dentro deles para o Brasil... Depois eu faço crónica com fotos para o Utopia Ativa, abraços com carinho, ternura, e um desejo de doces sonhos, aqui é tarde para mim, como iria dizer o amigo Adilson, já veio a boca da noite... Concha

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Concha: tudo de vocês cheira jardim iluminado de lar com flores do campo... pássaros, voos - liberdade.
Que bo receber notícias de vocês... Será um encontro belo, tenho certeza; afinal...
clube dos poetas vicos -
luar no meio dia,
aurora na escuridão,
a vida se transformando
nos acordes de uma canção...
andarilhos do vento
sob a sombra do arvoredo
uma colméia de pássaros
solfejam a poesia
que ecoará no tempo
cruzando o infinto
no encontro da magia
com o clarão de um novo
despertar do amor
entre o caminho e a flor...
Bruxaria, poesia
na vida da alegria
novos cantos de louvor.
Abraços ternos jorge bichuetti

Rosi Alves... disse...

As palavras brincam envoltas de seus sentimentos... Você não virou poeta já nasceu assim, amei demais sem falar o seu nível cultural que e percebido a cada texto. E o que me chama atenção e a sua humildade ela reflete a sua alma... Não posso ver sua alma mais posso senti La e ela é linda. Beijos

Concha Rousia disse...

Que belo poema, Jorege, tu vivo nas palavras... vou dividir com todos estes teus belos versos... Com carinho, Concha

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Rosi, leio livros e pesco saveres no entre dos encontros... e amo nossos diálogos; abraços ternos, jorge

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Concha, é meu coração que aí está...
Abraços com carinho, jorge

Anônimo disse...

Dr. Jorge,
E agora?
Desde quarta-feira que procuro meus
medicines. Ficou pra quinta.
Aqui ventou tanto que até sofá tivemos que colocar na porta. Sem chance de ir aí.Sexta sem resposta.E agora? Amanhã fico a zero.Tenho que viajar.Amanhã fico a zero. Obrigada, De

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Cara denise, por mais deseje não cuido da minha agenda,amanhã estarei nas atividades da universidade popular... sobre minhas atividades clícas só o Pierre mantém a organizaçãoe ele me fala no dia.
Abraços com carinho, jorge