sexta-feira, 17 de junho de 2011

DIÁRIO DE BORDO: OS CAMINHOS DA LIBERDADE

                                                 Jorge Bichuetti

Lua cheia... Os álamos baila e me assusto: não há vento, só sereno. A brisa da manhã. Penso que sentem, sabem ler os escritos no céu estrelado: é tempo de liberdade. A Luinha anda moça rebelde; já não quer o meu amor paternal. Me indigno. Será que pra ela, eu sou o fascista?... Me tranquilo um pouco com minutos de carinho na hora de adormecer. Acordei, ela lá ficou... Não mergulharei nas costumeiras lamúrias. A levarei na Marcha: minha filha, aprendeu a ser cidadã. Defende seus desejos e sonhos.Não nego, enciumado, sorrirei orgulhoso. A Luinha é carapintada. Guerreira,  Não se acovarda, nem vegeta na apatia. ela diz a sua palavra; no  caso, o seu miado...
Caminhos. Caminhos da Liberdade.
Lembro-me. Aparece, ontem... Monsenhor Juvenal Arduini, escudo da cidadania juvenil, e voz que nos revelava profeticamente que a vida é caminhar, estradear, peregrinar, marchar... Caminhos pela Liberdade.
A liberdade humaniza, dá responsabilidade... A liberdade amadurece, vitaliza, dá alteridade...
Muitos se preocupam com a nossa juventude. A percebem alienada. Dela, me orgulho: são guerreiros, caiapós ressuscitados no mangue da pós-modernidade.
A tirania exclui, mortifica e amordaça... Mas ela não se impõe porque é forte; ela impera porque muitos se acovardam. Silenciam, não lutam...
Olho o horizonte e o vejo pedindo mais um passo...
A liberdade, ontem e hoje, é conquista; é luta que ocupa espaço.
Alguns dirão que a liberdade merece um melhor enquadre.
Ouvi isto sobre os acampamentos da Espanha, e contestei... A liberdade é , por si mesma, o caminho, no caminhar se desvenda os olhos e se vê a constelação de lágrimas que ferem a face de todo um povo.
Código Florestal, Belo Monte... Plano Nacional dos Direitos Humanos, PL 122/06... Quanta luta! A vida nos convoca, mas, muitas vezes, ficamos em casa. Deitados, sonolentos... Vendo nossas matas e o Jacarandá, nossa gente e nossos mortos queridos sendo pisoteados.
A liberdade é passarinheira. Deseja uma revoada, uma marcha pela vida de inclusão e  solidariedade.
Dizemos que amamos o próximo, a natureza, a justiça e a paz: mas, recordemos - o amor nunca ´e omisso, o amor não covarde.
Nos becos, lágrimas clamam ...
No dia-a-dia, quanta opressão, estigmatização, discriminação... Quanta punhalada no coração da liberdade.
A voz dos oprimidos e dos excluídos, silenciada nas vidas estropiadas, agora, falam e caminham na Marcha da Liberdade.
Um movimento pacífico, um movimento afirmativo: construção de vida nova, aurora... alvorece um novo tempo. Tempo de liberdade.
Assim, meu amigo, companheiros de jornada: marchemos...
Num tempo distante, um homem singelo, um plebeu, falou de amor e liberdade... E a multidão não quis a sua companhia; ficaram acomodados nos braços de Herodes e Pilatos. Depois, arrempedida, chorou... Pois, não viu no Cristo a vida marchando pela liberdade.
Não sejamos novamente os cegos e surdos pela alma embotada. Marchemos...
A Marcha da Liberdade é fé... Fé na vida, fé na ética da inclusão, fé e esperança que juntos podemos inventar um tempo de ternura nos caminhos da liberdade.

















MARCHA DA LIBERDADE - 18/06 - 14:00. UBERABA -          SANTA RITA... PELA VIDA, MARCHEMOS... 
              A VIDA VOA NAS ASAS DA LIBERDADE.

2 comentários:

Rosi Alves... disse...

Muito linda a pura reflexão mais sou a prova em pessoa que se a gente não se libertar de nos mesmo...não chegamos a lugar nenhum,tem pessoas que quer apenas chegar no portão quer apenas ir a escola do filho e não consegue não porque não tem pernas e um sofrimento mental inexplicável.Abraço eu achei um vídeo seu e postei no meu outro blog ate chorei da forma que você trata as diferenças culturais mentais seja qual for mais logicamente que não iria chorar a toa foi a parte ao qual você explica sobre o outro não entender a falta de amor que é direcionado a ele...eu lhe pergunto Doutor...como pode uma criança que cresceu ouvindo eu te odeio você não devia ter nascido lhe da com essa situação aos 33 anos...onde para falar sobre o assunto teve milhões de crise de existência chorou gritou se descontrolou...como fazer para que tudo que se vê e a rejeição...antes que ela aconteça mesma que não aconteça e um trauma a onde decide a não lidar com o mundo...tenho medo de arrumar amigo de arrumar emprego de tudo.será que o senhor e um anjo de deus para me ajudar aquela amiga sou eu...eu não penso em me matar nada disso apenas estou com 33 anos e não reajo para nada aquilo e mais um pouco que expliquei não falta de deus tenho fé mais nem isso esta me ajudando..aquela historia do blog de hoje ela e minha e minha infância eu tenho plano de saúde mais nao consigo ir ao medico não gosto de falar isso acho que sei la podem achar que estou louca apesar de ter a fama porque eu chorava e falava para qualquer um o que meu me fez...será que eu tenho jeito doutor???só fico deitada eu não tenho vontade de fazer nada...a idade da minha filha 11 anos e a idade que tem que praticamente me desliguei nao tenho amigos os poucos eu perco pq quando estou assim não atendo a porta nem portão atendo ninguém minha família me chama de maluca devido eu não abrir portão uns fica com raiva achando que é pessoal...nunca tomei remédio nenhum se não jogasse fora teria uma bolsa dizendo de receitas me encaminhando para o psiquiátrica dizendo que tenho depressão so sei que cada dia pioro me olho no espelho e vejo o quanto estou acabada

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Rosi: a vida nos cura na caminhada e o horizonte azul nos encanta e pede um nvo passo. Sei que a dor nos atravessa e nos paralisa; porém, podemos superá-la. Aqui estou; posso pouco, contudo tudo o que seie posso lhe ofeeço. A vida é movimento. Sofremos porque nosso psiquismo fixou-se em imagens cruéis que persistem; renovar é um luta... para isso é preciso começar. Podemos conversar sempre. Você tem ma outra Rosi que esta´vivíssima, ativa e guerreira - a poetiza, o encanto da arte e magia da ternura. Intensifincando sua vida neste lugar, você acumulará forças para oxigenar os outros espaços. Procura refazer seu olhar sobre si mesma. As marcas são fortes; porém, podemos trocar - a vida nos ama e a vida que pulsa no luar, nas estrelas e nas matas , se a escutamos começamos a nos fortalecer.
è apenas um início de diálogo; depois, continuamos, pode me acessar no face e ou via email... Quero fazer o que for possível na minha limitação.
Abraços com ternura, força guerreira da vidda que alvorece e se renova; jorge