sexta-feira, 1 de outubro de 2010

DIÁRIO DE BORDO: MEU VOTO CHAMA-SE ESPERANÇA...

                                                                                           JORGE BICHUETTI
Há muito não me posiciono tão-claramente como nestas eleições.
Não era o meu desejo. preferia tecer um poema ou escrever um texto, ou, simplesmente, descansar junto das flores que perfumam o meu quintal.
Todavia, não posso, não me permito... Como aspirar o perfume das flores, escutar os meus pássaros e bailar com meus álamos, se o meu povo, de novo, amarga uma encruzilhada.
Encruzilhada é tera de ninguém - dizia Rosa.
Todos falam o mesmo, no entanto, todos deviam saber que a política do neoliberalismo descarado do PSDB e DEM, quando opitam pelo estado mínimo decidem que o pão e a alegria, a moradia e a saúde, a educação e o lazer serão mercantilizados e os pobres e os oprimidos voltarão à sua velha condição de mendicância.
Existem problemas e estes devem ser equacionados, mas não às custas do sofrimento do povo.
É necessário, então, garantir a continuidade do trabalho do presidente Lula e com ela as políticas sociais de inclusão, dignificação da vida e justiça social.
A solidariedade não pode ser enterrada; e a vida esquecida nos seus valores de amor e paz.
Pelo pão na mesa, partilhado na alegria da vida que se plenifica dignidade e cidadania...
Pelas vagas nas escolas públicas, pelo cuidado aos desvalidos...
Pelo política de não à guerra...
Pelas flores que cresceram nas ruas e nas favelas...
Pelo Brasil que já não esconde a sua cara...
Pelas moradias populares, pelas empresas de economia solidária...
Pelas florestas preservadas e pela terra dividida...
Pelo Brasil que se descolonializou-se e caminha com o povo devindo-se mãe gentil... Eu voto.
Voto com altivez e consciência, sonho e caminho... caminho de vida para todos. Eu voto.
Eu voto em DILMA ROSSEFF... E voto sem medo de ser feliz!...

  

4 comentários:

Samara disse...

Hasta la victoria, siempre!!! Che

Samara disse...

RAÇA

Lá vem a força, lá vem a magia
Que me incendeia o corpo de alegria
Lá vem a santa maldita euforia
Que me alucina, me joga e me rodopia
Lá vem o canto, o berro de fera
Lá vem a voz de qualquer primavera
Lá vem a unha rasgando a garganta
A fome, a fúria, o sangue que já se levanta
De onde vem essa coisa tão minha
Que me aquece e me faz carinho?
De onde vem essa coisa tão crua
Que me acorda e me põe no meio da rua?
É um lamento, um canto mais puro
Que me ilumina a casa escura
É minha força, é nossa energia
Que vem de longe prá nos fazer companhia
É Clementina cantando bonito
As aventuras do seu povo aflito
É Seu Francisco, boné e cachimbo
Me ensinando que a luta é mesmo comigo
Todas Marias, Maria Dominga
Atraca Vilma e Tia Hercília
É Monsueto e é Grande Otelo
Atraca, atraca que o Naná vem chegando.

Milton

Todas Marias, somos NÓS lá!!!
samara

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Sim, querida Samara, hasta la victoria, e com a alegria de ver nosso povo no poder. Jorge bichuetti

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Smara, o voto na DILMA é o voto Maria, Maria, uma gente que ri quando deve chorar... Mas é preciso ter força, raça, gana e Dilma presidente. abraços jorge