terça-feira, 26 de abril de 2011

POESIA: ESCRITOS DA VIDA...

                                                 TEUS OLHOS
                                                          Jorge Bichuetti

Teus olhos negros
verde-esperança
paz-azul e uma rosa
de lembrança...

Teu corpo nu
ritual e dança,
desejo e um ardor
da vida criança...

Doce fantasia,
a vida avança,
novos amores que
vem e vão,
remoçam e passam,
alegram e fazem chorar...
Olhos, corpos:
caminhos da paixão
onde a vida brinca
e nunca se cansa...


                                    UMA ROSA
                                               Jorge Bichuetti

Na janela, uma rosa
espera o dia raiar,
ela escutou e quer contar
as miragens do amor
as paisagens do desejo
as imagens das canções:
nascidas na serenata,
germinadas no luar...


                          ROMARIA FÚNEBRE DA DESILUSÃO
                                                              Jorge Bichuetti

Pequeno
mundo vão
grande
mundo cão...

No chão,
agoniza
a vida
a obra
a alma
de um peão...

O aço
do direito
não dá
não vê
não muda
a morte
a desvalia
a sangria
da solidão.
Ele explica
e bendiz
o Capital
a mão invisível
de uma
muitas
desilusões...


                     NO PORÃO
                                      Jorge Bichuetti

No porão, camuflado entre o arroz,
o milho e outros cereais, lia
páginas e nelas outros mundos,
um novo universo de guerreiros,
mulheres vadias e homens sóbrios,
mergulhados nas noites e despidos
pela sensualidade alheia, da lua...

Santos milagreiros, aventuras
de brejo, riacho e cachoeiras...
Ali, soube pela primeira vez
das senzalas, dos quartéis e dos
latifúndios dos braços doídos
dos camponeses despossuídos...

Meus heróis... Bandeira, Pessoa
Rosa e silábicos roseirais...
Amado místico e de vadiagens,
tão exuberante na m'ia puberdade
que, revelada,  a vida aparecia
como um inalcansável reino de
prazeres, delírios da felicidade...

Outros vieram e nunca partiram;
o porão se fez mesa, luminária...

Hoje, dele tenho imensa saudade...
Dos livros, não... Somos um, uma doce
perene alegria:... irmandade.


                                 PALAVRAS E IMAGENS
                                                                    Jorge Bichuetti
                                                                                   ( PARA TÂNIA)

Eu que tanto choro os amores
perdidos... de mim, esquecidos;
eu que poetizo os adeuses
na lembrança das lágrimas
entre flores, luares e passarinhos...
Aqui, estou, entre papéis e escritos,
palavras e imagens, choro, agora,
os muitos livros. livros
lidos e permantemente relidos,
os perdidos... os no caminho
esquecidos... os da estante,
ali esperando algum olhar
para germinarem novas ideias
não pensadas, desconhecidas...

Meus livros: amores permanentes,
chegada e partida, no louvor
da palavra e da imagem
que desenham n'ua folha de  papel,
a vida nascente e florida,
caminhos companhia e partilha,
utopias poéticas encantadas
filosofias trevos e clareiras
escritos singelos e estelares
que se ocultam nos rabiscos de um livro.

Livros, amores de todas as estações,
vida-farol... pulsações do novo,
insurgências dissolvendo as traves,
as vendas da escuridão...

Um permanente clamor à transmutação...

Meus livros: flores, luares e passarinhos
do passado, do presente e do futuro;
o amor incondicional, ternamente disponível...

4 comentários:

Adilson - Rio de Janeiro - Brazil disse...

Lindo .... tudo muito lindo por aki...versos que emocionam ... abraços Jorge

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Adison, somos a resitência poética num tempo de matemáticas ilusões.
Abraços, Jorge

Tânia Marques disse...

Que lindo! Muito obrigada pelos versos sábios e ternos. Fiquei emocionada com essa homenagem, querido! E viva a nossa união em prol do bem comum, da paz universal, do amor à vida, à arte, à cultura. Você faz parte da minha estrada há muito tempo, porém foi somente numa bifurcação dela que nos encontramos e agora seguiremos juntos,forever!!! Beijão!

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Tânia: palavras e imagens... Vida de sonho, sonho de vida. Canto-magia.
Tentei, irei fazer outras; ainda não foi a que eu queria. Mas viva: nossa união, nossa caminhada, nossa parcela de doação por uma nova hum,anidade.
Abraços com carinho,Jorge