sexta-feira, 8 de abril de 2011

BONS ENCONTROS: SOBRE AMOR, VIDA E POESIA, TRAMAS FAMILIARES E UTOPIA... A PALAVRA LÚCIDA E TERNA DO POETA ADILSON S SILVA

                   ENTREVISTA COM O POETA E PSICOTERAPEUTA ADILSON S SILVA...
                                    AMAR, COOPERAR E SONHAR...
Adilson S Silva é poeta, filósofo, psico analista e terapeuta familiar... Articulista do blog Rimas Truncadas (  rimastruncadas.blogspot.com )... amável, sensível e revolucionários no olhare viver a vida... Mora, atualmente, em Vitória... um homem gentil que não economiza na caminhada ternura e suavidade...  aqui, o veremos com lições preciosas sobre o amar, o con-viver e a poesia que vive e anda nos que a tecem com desejo de unir sonho, magia e vida de com-paixão... Escutemo-lo...

1. Existe espaço para a poesia num mundo tão pragmático como o nosso; e qual a sua potência na vida e na sociedade?
 
- Jorge , eu já me declarei filosofo. Pois bem, a poesia e o pensamento, através da escuta do apelo do ser, instauram o espaço da clareira. Este apelo é silencioso e o escutar cuidadoso desse silêncio é capaz apenas para a filosofia e a poesia por se relacionarem com a linguagem de maneira essencial. Poetas e pensadores constituem o idêntico (entendido como o mesmo), pois, cada um a seu modo, possuem a tarefa de trazer o ser à palavra. São diferentes essencialmente, enquanto o pensamento se esforça para explicitar o ser e o poeta apenas o dita, respeitando seu mistério.
Geralmente enxergamos a poesia como algo muito relacionado com devaneios, com fantasia ou sendo a poesia do âmbito da literatura. Compreender o poético apenas por esses dois vieses é a manifestação mesma da decadência da compreensão moderna disso que é linguagem e realidade.
Os poetas são os que habitam poeticamente, já que eles lidam com o fazer poético e, nesse sentido, a matéria de seu trabalho seria o lugar em que eles habitariam. 
O que seria esse habitar poético? Ora , a poesia traz o ser para linguagem, esse ser que funda a nossa realidade , que é evanescente , que aparece e desaparece e só podemos apreende-lo na hiancia , na fenda que existe entre o imaginário e o simbólico, o habitar poético é a mediação entre o pragmatismo e seus lugares de produção, que não são outro senão aquilo que se imagina e o que se simboliza. 
A relevância da poesia na atualidade seria então apontar para um construir , respeitando então sua origem na poiesis que constrói aquilo que se habita , ou seja , esse olhar que foi perdido , o encantamento que não existe mais, esse encontro que causa espanto entre o real e aquilo que é idealizado pelo meios de produção cultural ...temo não ter respondido à sua pergunta...

2. Todos dizem querer um grande amor... Como você vê tantas dores amorosas adoecendo e mortificando as pessoas?
Pois é Jorge , amar é  compreender que  ao outro falta. Falta  aquilo que me  completa ...olha isso não fácil de jeito nenhum de ser compreendido.Primeiro porque  existem alguns mitos , seja o das  almas gêmeas , os cara metades ... Mas  isso não passa de uma necessidade narcísica de completude.
A grande falácia dos relacionamentos e seu grande fracasso passam por ai. 
Ai, nós vemos a total infelicidade nos relacionamentos sustentada por essa expectativa de que ou eu sou capaz de fazer o outro feliz ou que se o outro fizesse assim ou assado eu seria mais feliz... 
Não ... Não é por ai ...manter essa expectativa , é levar um vida plena de insatisfação e, infeliz 
O amor, portanto, implica o domínio do “não-ter”, acentuando a dimensão faltante do sujeito. Isto é, é um ter sem possuir ... 
O lugar do amor deve ser situado a partir do encontro sempre faltoso do sujeito com o Outro, na ilusão apaziguadora da completude perdida, na busca incansável da satisfação primeira e num profundo anseio de seu retorno sob o signo do desejo.

 3. Quais são os grandes nos da vida familiar?

- Rsss ... é ...eu prefiro começar pelo afeto ... mas para falar de afeto preciso falar de proximidade...Quero analisar minha fala: “não há proximidade sem distanciamento”. 
Assim, uma pequena distância não é próxima, uma grande distância não é afastamento. A supressão da distância não é o mesmo que aproximar-se das coisas. Se tudo está presente, mas a proximidade esta ausente, como podemos alcançar o que está próximo? Afinal, como podemos experimentar a essência da proximidade? E ai entra o afeto ...Ama teu próximo com a ti mesmo ...mas quem é o próximo? Ora , a família é um convívio entre próximos... A família foi despossuída de valores que a afirmava enquanto família , ou seja dos valores do parentesco , sua proximidade e seu afeto.O que isto significa? Significa que na sua tradição e essência foi perdida a intuição dos seus ciclos vitais... E eu digo .. a hora de se juntar e construir e a hora da separação .. do ninho vazio ... que jamais conseguira ser vazio ,,,pois havia sempre o retorno dos netos , bisnetos , etc... Mas , eis que surge um tempo em que a situação dominante subverte os papeis ... A família hoje ...se desorienta, porque a lei não é a da tradição e sim aquela oferecida e imposta pelo estado, pelo mercado ...acho que isso deixa a família confusa... Em contrapartida dão de si aquilo que não carece ser dado, ou seja uma certa permissividade que é o ponto nodal ... que é o ponto de saída ...dos filhos para o mundo e assim a roda gira ... 
Relacionamentos, diálogo, trabalho, adolescência, perdas, sexualidade, orientação profissional, drogas, finanças e outras questões importantes, no que dizem respeito à convivência familiar, são alguns dos nós que a atualidade abriga no lócus de proteção e pertencimento que é a família.

4. Ciúme é amor? E a violência nas relações amorosas se explicam?
 
- Não o ciúme parece amor, mas não é.
O ciúme demanda posse e tira toda a possibilidade do crescimento das pessoas emocionalmente envolvidas. A convivência a dois é uma das coisas mais difíceis de se efetivar, só o amor não é suficiente , é necessário maturidade afetiva. É isso que permite o casal encontrar soluções viáveis para os desencontros e desacordos , bem como a consecução de um projeto de vida pautado na confiança mutua.
O ciúme impede esse crescimento... Esse importar-se com , sem controlar ou impor quaisquer regras que não sejam as da aceitação e do amor... e o obvio, é sempre uma violência relacionar-se com o outro como se esse outro fosse um objeto , uma suplência narcísica sem falar da violência física.

5. Como viver a vida sem se travar nos desencantos da solidão, da competição e dos fracassos?

- ...pois é , viver não é um mero evento , é um processo . Não somos  um processo acabado .Deveríamos viver entendendo que  somos progresso e não perfeição . É  isso que presentifica  o nosso devir ... e a nossa realidade é a da finitude , da falibilidade. Ai costumo dizer que é necessário ter uma reserva  espiritual , para o momento desses encontros  com a solidão de nós mesmos, para enfrentar a crueldade da indiferença e  abandono e para  entender que o sistema  nos impele a ser competitivos . Ora , falo de espiritualidade e não religiosidade , falo nessa  relação com as coisas da vida , coisas que gosto e desgosto , e também falo em ser competitivo  no sentido mesmo de tornarmos em ato  aquilo que  somos em potencia ,  falo no desvelar da nossa criatividade.
 A vida por si só é lúdica e a nossa alucinação é suportar o dia-a-dia e o delírio das nossas experiência com coisas reais.

6. Você crê numa saída para a humanidade... ou caminhamos para a destruição fatal? ..7. Qual é sua grande utopia, amigo?

-...Jorge  vou ser curto e grosso nessa resposta.A nossa saida é a cooperação , é repensar o bem estar como coletivo ... É uma grande besteira essa coisa de darwinismo social , o ser humano na sua fragilidade na chegou até aqui pelas maos da competição senao pela cooperação Mas acho que isso ainda nos é uma grande utopia ... uma grande utopia.
Mas  , vejo um final mórbido e triste  fora desse proposito ... acho que  essa é  minha grande utopia  respondendo a sua sétima pergunda...

 Adilson, querido amigo, todos nós... do utopia ativa lhe agradecemos: a gentileza, a ternura e a sabedoria... E lhe abraçamos com imenso carinho, dizendo:obrigado, amigo... Um farol, um ombro... tão amigo. Nosso poeta de mares, gaivotas e estrelas que tece a vida misturando a magia dos sonhos com a textura do amor... que nos dá um devir leveza...

23 comentários:

Adilson - Rio de Janeiro - Brazil disse...

Bom dia meu companheiro de passagem vc é sempre terno e gentil nas suas palavras ... um forte abraço ... e um final de semana de muita paz

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Adilson, voc^esteve deslumbrante, como sempre... amaei suas respostas: um curso de vida e vida com paixão,
Abraços com ternura, Jorge

Anônimo disse...

Conheço únicamente o POETA Adilson e fiquei surpresa,com a sua belíssima entrevista,indo de encontro às minhas ideias.Foi um prazer,poder conhecer mais,para além do poeta,que é sem dúvida brilhante!
Parabens a ambos!
Alga Marinha

Mila Pires disse...

Adilson, parabéns pela clareza nas respostas...Maravilha!Suas colocações são brilhantes, incisivas e sementes férteis em nós.

Beijos...com carinho...


Jorge, obrigada por compartilhar essas fatias de sabedoria conosco!

Abraços...

maria jeremias dos santos disse...

Adilson, meu amigo

Adorei a enttrevista com J. Bichuetti, realmente um homem que lida muito bem com as palavras e gostei quando disse "viver não é um mero evento e sim somos progresso e não perfeição" concordo plenamente.
Cada um de nós sabe as alegrias e a dor que trás no coração, como dizia Russo em sua música. Parabéns pela entrevista, show de bola.

Anônimo disse...

Não se entra no baile dançando valsa e escutando rock.
O ciume é inerente ao ser humano.
A vida na terra é como se fosse um ponto de onibus. E existem vários
porque um dia vamos MORRER.
Aqui nosso espírito tem a chance de ser burilado.E depois mais burilado e assim por diante.

Beijo Denise

Anônimo disse...

Não é a distância que mede o afastamento.
A vaidade e o orgulho além do egoísmo são as pedras no sapato
da humanidade.

De DE BJO

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Adilson, vendo estes comentários não tenho que acrescentar; somente, gostaria de dizer que parece que sua visão de mundo nos leva a amar, lutar e sonhar...
Abraços a todos com carinho; Jorge

Anônimo disse...

Não existem dois corações iguais.
A boa poesia é uma delícia.
É como pintar com o teclado.
DE

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Cara amiga, meu coração sente, assim; pois, vivo e caminho cheio de amor... O amor é possível; basta escurmos o que nos fala a vida... A poesia me trouxe grandes alegrias.. e a partilho com os sonhos que me nascem na caminhada... Deus lhe abençoe, abraços, Jorge

Anne M. Moor disse...

Jorge e Adilson!

Os dois me deram um final de dia de paz. A entrevista uma luz. E em especial a penúltima e última perguntas e respostas.

Amei. Vou lá no teu blog Adilson ler mais.

beijos aos dois
Anne

Tânia Marques disse...

Bárbara essa entrevista, Adilson e Jorge. Senti-me contemplada em vários aspectos ao lê-la. Beijo grande para vocês e parabéns!!!

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Anne, fiquei feliz com a entrevista... Aprendi, me deu serenidade e paz... alegria de viver... o nosso Adilson é uma sensibilidade terna e viva.
Queria fazer uma entrevista com você, se topar envie-me seu emaile mando as perguntas.
Muita paz... carinhoe abraços, Jorge

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Tânia, um beijo e minha gratidão pelo carinho, abraços, Jorge

Anne M. Moor disse...

Jorge, que honra!

Meu e-mail é ammoor45@gmail.com

beijos
Anne

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Anne, lhe enviarei amanhã pela manhã, ou hoje, após, Upop... Sera uma alegria geral... sua ternura nos engrandece e nos acolhe.. abraços com cainho. jorge

Adilson - Rio de Janeiro - Brazil disse...

Anne e Tania me alegra saber que ...esses pequenos lampejos de lucidez... trazem luz para pessoas iluminadas como vcs ... meu terno abraço às duas e meus agradecimentos ao Jorge ....
Bom final de semana ... muita paz e luz a todos

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Adilson, um final de semana cheio alegriae paz, para você e para todos nossos amigos de caminhada, Jorge

SINDPES disse...

Parabéns Adilson, as suas palavras foram claras e francas. Concordo quando diz "...pois é , viver não é um mero evento , é um processo . Não somos um processo acabado". Como é bom saber que o processo ainda não acabou...

Grande abraço,

Marcio Roney

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Márcio, concordo contigo; é belo nos ver obra inacada, um projeto, muitas tarefas... vida invetando mais vida.
Adilson foi esplendoroso, claroe de visão inovadora, cheia de bom âniimo; abraços, jorge

Liria Littig disse...

Adilson

Que bom tê-lo como amigo, supervisor, colega de curso e tudo que ainda pode vir oriundo da profissão. Parabéns pela entrevista pautada na poesia, na Psicanálise, na experiência de vida, no conhecimento filosófico, no..., no,....Sucesso

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Liria, ele encanta por ser tão humano e poético com maresia no viver... Abraços com ternura; Jorge

Concha Rousia disse...

...voei com tuas palavras, as do filósofo, as do poeta, e ainda as do terapeuta e amigo... a caminho de Macau, concordo com o teu modo de pensar a vida, o amor... teu jeito de ver, achei bela a entrevista, e as imagens... Prazer, meu amigo, imenso prazer. Beijos e sempre parabéns! desde além-mar, Concha