sábado, 2 de abril de 2011

MESTRES DO CAMINHO: SOBRE O ANARQUISMO

“As liberdades não se concedem, conquistam-se.”
— Priotr Kropotkin
   “O anarquismo é uma teoria política que defende a criação da anarquia, uma sociedade baseada na máxima -sem soberanos-. Para chegar até lá, os anarquistas consideram que a propriedade privada da terra e o capital que hoje estão em alta, estão condenados a desaparecer: e que todos os meios de produção devem se converter em propriedade comum da sociedade, e serão gestionados em conjunto pelos produtores da riqueza. (…) a meta final da sociedade é a redução das funções do governo ao nada – é dizer, uma sociedade sem governo, a anarquia.”
— Rudolf Rocker
 “Os anarquistas sabem que um longo período de educação precisa preceder qualquer grande mudança fundamental na sociedade, uma vez que não acreditam na miséria do voto, nem em campanhas políticas, mas sim no desenvolvimento de indivíduos com pensamento autônomo.”
— Lucy Parsons, Os Princípios do Anarquismo. (1890).
“Respeito à lei, este é o cimento que mantém a estrutura do Estado. A lei é sagrada e aquele que a desafia é um criminoso”. Sem crime não haveria Estado: o mundo da moral – ou seja, o Estado – está cheio de vagabundos, mentirosos, ladrões (…) O objetivo dos estados é sempre o mesmo: limitar o indivíduo, domesticá-lo, subordiná-lo, subjugá-lo.”
— Max Stirner
“Só serei verdadeiramente livre quando todos os seres humanos que me cercam, homens e mulheres, forem igualmente livres, de modo que quanto mais numerosos forem os homens livres que me rodeiam e quanto mais profunda e maior for a sua liberdade, tanto mais vasta, mais profunda e maior será a minha liberdade.”
— Mikail Bakunin
“Me pergunto em que tipo de sociedade vivemos, que democracia é essa que temos onde os corruptos vivem na impunidade, e a fome das pessoas é considerada subversiva.”
— Ernesto Sábato, Antes del fin (1999).
“Os escravos do século XXI não precisam ser caçados, transportados e leiloados através de complexas e problemáticas redes comerciais de corpos humanos. Existe um monte deles formando filas e implorando por uma oportunidade de trocar suas vidas por um salário de miséria. O “desenvolvimento” capitalista alcançou um tal nível de sofisticação e crueldade que a maioria das pessoas no mundo tem de competir para serem exploradas, prostituídas ou escravizadas.”
— Luther Blissett
“ “Livrem-se das velhas categorias do negativo (a lei, o limite, as castrações, a falta, a lacuna) que por tanto tempo o pensamento ocidental considerou sagradas, como forma de poder e modo de acesso à realidade. Prefiram o que é positivo e múltiplo, a diferença à uniformidade, os fluxos às unidades, os agenciamentos móveis aos sistemas.”
— Michel Foucault, Introdução de ‘O Antiédipo’
“Anarquismo, para mim, significa não só a negação da autoridade, nem também uma nova economia, mas uma revisão dos princípios de moralidade. Significa o desenvolvimento da individualidade bem como a asserção da invididualidade. Significa auto-responsabilidade, e a não adoração de líderes.”
— Voltairine de Cleyre, Em defesa de Emma Goldman e o direito de expropriação (1893).
 “ “Quem semeia miséria, colhe fúria.”
— Anônimo, Pichação nas ruas de Paris (2006)
 “A liberdade de eleições permite que você escolha o molho com o qual será devorado.”
— Eduardo Galeano
 “Uma idéia nova nunca pode caminhar dentro da lei. Pouco importa se esta idéia diz respeito às mudanças políticas ou sociais, ou a qualquer outro domínio de pensamento e expressão humana – a ciência, literatura, música; na realidade, tudo aquilo que se direciona a liberdade, regozijo e à beleza, tem que se negar a caminhar dentro da lei. Como poderia ser diferente? A lei é estacionária, fixa, mecânica, ‘uma roda de biga’ que esmaga tudo pela frente, sem levar em conta a hora, lugar e condições, sem levar em conta causa e efeito, sem nunca entrar nas minúcias da alma humana.”
— Emma Goldman
  “Anarquismo não é uma fábula romântica mas a realização consciente, baseada em cinco mil anos de experiência, de que não podemos confiar o gerenciamento de nossas vidas à reis, padres, políticos, generais e executivos”
— Edward Abbey, A Voice Crying in the Wilderness (1989)
 ““Liberdade! Salve a Liberdade e a Liberdade salvará tudo mais!”
— Victor Hugo
 “A única alternativa é a utopia ou o caos. (…) os sintomas do desmoronar da civilização podem ser vistos por todas as partes e são bem mais agudos que aqueles percebidos nos últimos anos do império romano. No entanto, nem todos estes sintomas são necessariamente patológicos. O mundo contemporâneo se vê afetado por duas tendências opostas: uma que tende a sua destruição social, a outra que anuncia o nascimento de uma nova sociedade.”
— Kenneth Rexroth
     “Estamos usando nosso cérebro de maneira excessivamente disciplinada, pensando só o que é preciso pensar, o que se nos permite pensar.”
— José Saramago, Palestra “Literatura e poder. Luzes e sombras”, Universidade Carlos III, Madrid, Espanha (2004)
“Ao menino de 1918 chamavam anarquista. Porém meu ódio é o melhor de mim. Com ele me salvo e dou a poucos uma esperança mínima.”
— Carlos Drummond de Andrade, A flor e a náusea (1945)
 “A virtude pode florescer somente entre os iguais.”
— Mary Wollstonecraft, Reivindicação dos direitos dos homens (1790)
“É melhor morrer de pé do que viver de joelhos.”
— Emiliano Zapata
  “Os políticos e as fraldas devem ser mudados frequentemente e pela mesma razão.”
— Eça de Queirós
“Anarquismo significa que você deveria ser livre; que ninguém deveria te escravizar, te chefiar, te roubar, ou se impor sobre você. Significa que você deveria ser livre para fazer as coisas que deseja fazer; e que não deveria ser forçado a fazer o que não deseja. (…) Assim, não mais haveria guerra, nem violência empregada por alguns homens contra outros, não haveria monopólio nem pobreza, não haveria opressão e ninguém tentaria tirar vantagem de seus semelhantes. Para resumir, Anarquismo significa uma condição ou sociedade onde todos os homens e mulheres são livres, e onde todos aproveitam igualmente os benefícios de uma vida sensível e ordenada.”
— Alexander Berkman, “A anarquia é possível?”, em ABC do Anarquismo (1927)
“O ideal da condição de não violência será uma anarquia ordenada. O estado que melhor governa é o que menos governa.”
— Mohandas Karamchand Gandhi, O Baú de Sabedoria de Gandhi (1942)
 “Não se pode matar a Idéia a tiros de canhão, nem tão pouco acorrentá-la.”
— Louise Michel
 “Os cordeiros que vão ao matadouro nada dizem e nada esperam. Mas ao menos eles não votam no açougueiro que os matará, e no burguês que os comerá. Mais besta que as bestas, mais ovino que os ovinos, o eleitor elege seu açougueiro e escolhe seu burguês. Revoluções foram feitas pela conquista desse direito.”
— Octave Mirbeau, Greve de Eleitores (1888)
 “Quem combate monstruosidades deve cuidar para que não se torne um monstro. E se olhares durante muito tempo para um abismo, o abismo também olha para dentro de você.”
— Friedrich Nietzsche, Além do Bem e do Mal, Prelúdio a uma Filosofia do Futuro (1886)
“Necessária é também uma inclinação para enfrentar questões que hoje ninguém se atreve a elucidar; inclinação para o proibido; predestinação para o labirinto”..”
— Friedrich Nietzsche, O Anticristo, Praga contra o Cristianismo (1888)
 “Somente quando a última árvore for derrubada, o último peixe morto e o último rio envenenado, que o homem irá perceber que dinheiro não se come”-Paul Valéry


2 comentários:

☯ℒ❀LuGoyaZ❀♬✪ disse...

Boa tarde Dr. Jorge. Sobre o anarquismo eu encontrei um poema de Alex Polari que diz assim:
"O anarquista que há em mim se junta com o ingênuo que há em você e propõe: "vamos fazer uma república utópica?".
O princípio da realidade passa com a sirene aberta, pára e nos autua em flagrante.
(Alex Polari, paraibano, 1951. Teve seu 1º livro publicado em 78, época em estava preso por sua militância política. Ficou preso entre 71 e 80. Em 80 passou a fazer parte da comunidade esotérica Santo Daime).

Beijinhos de pura ternura. Amiga Lu.

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Lu, gosto muito da poesia de Alex Polari, inclusive da Idílica Estudantil.. Nós e nossa caminhada, cheia de fé na vidae nos sonhos. Um abraço com ternura, cheio de Rosa e Pessoa, poesia e vida, Jorge