quinta-feira, 3 de março de 2011

BULLYING: O CORPO SEVICIADO PELA OPRESSÃO

                                                                 Jorge Bichuetti

Bullying: uma novidade?... Uma nova palavra para um velho e crónico problema: a discriminação, a marginalização e estigmatização do diferente e dos que são para um mundo de padrões rígidos e excludentes a fragilidade e o exótico.
                                        ***
O esquizofrênico não teria um corpo danificado e mortificado, se ele não fosse negado, ridicularizado, inibido e violado.
As instituições totais aniquilam a potência de vida e torna a vida sob seus cuidados uma vida estropiada.
Contudo, o estigma e a anulação da potência criativa da vida não funciona somente dentro dos muros de um asilo.
Toda vez, que uma ação ou um modo de se relacionar coíbe as trocas e as fazem tenderem a zero, instala-se um funcionamento de instituição total com todo seu poder de aniquilamento e cronificação física e mental de uma suposta desvalia.
                                      ***
Cabe recordar que todos que vivenciam situações de algum grau de desterritorialização estão, potentemente, abertos ao novo; contudo, vulneráveis e muito mais vulneráveis às capturas e violências do meio externo.
Situam-se , neste contexto, as crianças e os jovens, os portadores de sofrimento mental, os apaixonados, os artistas, qualquer pessoa sob efeito de drogas alucinógenas, os idosos, os portadores de singularidades e diferença, os que estão sem pertenças nos coletivos, eles vivenciam desterritorializações que os vulnerabilizam aos ataques do meio social.
                                    ***
O Bullying é violência aos direitos humanos. É perversidade e exclusão. Crime de ódio.
A diferença é que dá coma aprovação implícita dos que não impõem uma ética nos espaços sociais de convivência.
O estigma e exclusão, a marginalizaçãoe discriminação via o ridículo, a gozação, os chistes e os próprios olhares de espanto e gozo sádico refletem no corpo do outro inibindo, contendo e isolando-o, danificando a autoimagem e a autoestima, enfim, gerando, uma vida que se percebe menos vida e que se encolhe, se retalha e decompõe...
São os efeitos da estigmatiza~ção e do asilo ambulante que se ressicita na voz e ação dos que violentam, excluem e ridicularizam...
                                    ***
A longo prazo, o problema se não enfrentado, se agrava; pois, o corpo perde potência e vidadlidade; e o psiquismo é tatuado com uma lenda que cria um scripit de vida de desvalia, infeliciddade e perenes fracassos e uma continua auto-negação.
                                   ***
Eis um problema clínico, político, pedagógico, ético e de direitos humanos...
Um problema de todos: família, escola, sociedade civil e estado...
Incluir é acolher, criar pertença, potencializar na diversidade, destruir estigmas e funcionamentos discriminátorios, é amor...
                                  ***
Bullying é violência, física e psíquica.
Assim, nascem os corpos danificados e, também, assim, nascem os fascistas e perversos que impedem a paz e o amor, a solidariedade e a cidaania, a alegria e a vida plena, de todos e para todos...

17 comentários:

Paulo Braccini disse...

Uma das mais completas contextualizações sobre o tema, q vi nos últimos tempos. Clara, Objetiva, Didática. Parabéns ao Jorge pela possibilidade desta brilhante reflexão ...

Todas as formas de intolerância e preconceito nascem daí ...


;-)

José Caui disse...

Hj é o grande dia e não consegui sair de Vitória ainda, estou com um pesar muito grande, queria ai estar para me arrepiar, ao ouvir e cantar o samba, o batido da bateria, me divertir com o carnaval da alegria, da inclusão. Abrace à todos por mim. José Caui

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Paulo, fico feliz que tenha gostado, pois visitando seu blog, aprendi a valorizá-lo como um insurgente terno e inteligente, cheio de vivacidade.
Penso que toda este modismo do bullying, como novidade, escamoteia a verdade de modos sutís e banalizados, mais, ferinos, de xclusão e estigmatização.
Abraços com ternura, Jorge

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Cauí, estamos com saudade... amanhã saímos na avenida: Maria, Maria no país da liberdade. Já conseguiu baixar, está na net... Hoje, iremos postar um clipe no you tube.
Sentiremos, de longe, sua energia no nosso coração.
Abraços, com carinho, Jorge

Anônimo disse...

Bullying uma palavra chic, made in USA, para não provar nada ou melhor
expor a pequenice de quem pratica,expor a idiotice que vai no coração dos que desconhecem o amor, como também dos involuídos, que um dia, certamente, se assustarão com o troco dos céus.Denise

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Denise, assino em baixo... de fato, isto me preocupa uma palavra que oculta violênciae desamor, exclusãoe estigmatização...
Abraços com carinho, Jorge

Maria Alice disse...

Dr. Jorge, seus sonhos, seu trabalho, ética e humanidade, seu jeito carinhoso de olhar e cuidar do outro, me encanta.
Sou feliz, de poder compartilhar com você meus medos, meus cacos e minhas vitórias.
Sou feliz, por você me mostrar que ainda vale a pena viver.
Gostaria de dar lhe um afetuoso abraço, nesta quinta-feira, após minha hora de tagarelar, chorar, rir, escutar.... e brincar com a Lua.Ufa!!!
Mas... faltei.
“Maria, Maria no país da liberdade”. Nas avenidas de Uberaba, vamos aplaudir a festa da alegria e acolhimento; da busca e encontro; do sonho e palavra; da ação e realização; da luta e vitória; da inclusão e amor!
Sentirei saudades das Marias de Uberaba...Maria Boneca, Maria Carrapata, Maria Pinguinha, e outras Marias... como a nossa Dora!
Sentirei sua felicidade na avenida, abrindo nosso carnaval, bailando e cantando com seus amigos, “a Liberdade da Maria, num país chamado Brasil!”

Até quinta-feira... vixe... a próxima, da próxima! rs
Segue meu afetuoso abraço, via net.
Deus te abençoe.
MARIA... “no país da liberdade”... ALICE

Tânia Marques disse...

Já fui vítma de assédio moral e sei bem de perto o que é isso! Tenho duas ou três matérias sobre esse assunto no Palavras e Imagens. Beijossssssss

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Maria, Maria... Doce amiga, fiel parceira de sonhose caminhada, que lindas palavras e lembranças... Marias: ternura-flor no mundo nosso de marginalização e exclusão são estrelas com uma coroa de espinhos...
Nosso trabalho é dar-lhes asas...
Sua amizade me engrandece...
Seu carinho me sustenta... Abraços com ternura, Jorge

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Tânia, toda vivência que nos inibe a afirmação e nos obriga a resistência, são analisadores de que este mundo já não pode... Precisa mudar... Irei a tarde ver seus textos ...
Abraços, Jorge , com o carinho sempre multiplicado.

Anônimo disse...

Dr. Jorge,
Sinto-me uma Maria conduzida até a rua.
Pra que retornar? Não existem perguntas muito menos respostas.Mandaram eu ir a um neurologista. Ave quem controla minha vida sou eu.O DVD que lhe enviei parece que não agradou.Quem sabe podemos discutir minhas chatices.Sou uma mãezona intuitiva.
Acho que as pessoas não gostam.Ciúmes.De

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Denise, não sei de nenhum dvd... as pessoas na vida sempre se mostram cheias de potências e limitações É a nossa humanidade.
Sobre chatices, todos as temos...
Mãe gosta de ser mãezona, isso não bom: asfixia...
as relações entre mães e filhos devem ser de diálogo e cooperação, compreensão e liberdade...
Assim, vivo a minha relação com minha mãe.
sempre necessitamos de viver e caminhar, buscando no horizonte um sentido maior. Eu descobri na solidariedade na luta socia, uma luz e ela me guia....
abraços com carinho e ternura, Jorge

Anônimo disse...

Ola Dr Jorge.Tudo o que escreveu e lindo, veraz e triste e realidade.Passo por tal situaçao de modo duplo.Tenho um unico filho de 14 anos e foi diagnosticado deficit de atençao.O preconceito começa dentro da familia, vai se alastrando entre os dito amigos, escola..enfim, tem uma tormenta em nossas vidas.Nosso grande aliado tem sido Deus, atraves da nossa fe.Mas temos amargado na insensibilidade das pessoas que se sentem tao superiores.Parabens pela materia.Um abrç.Lena.

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Lena, meu carinho... quando enfrentamos os preconceitos... criamos forças novas... afirmar a singularidade e identificar o preconceito nos edificam corpos vivos e de alegria... um carinhoso abraço, jorge

ramone disse...

adorei essas coisas sobre o corpo.a menina (prima da minha amiga) usou esse site para fazer um trabalho da escola.tb eu vou usar esse site maravilhoso para fazer um trabalho da escola.foi marjorie(a minha amiga)q disse esse site pra min pq ele ensina muito.parabens quem fez esse site.muito bem.meu nome é ramone braga de fontes e tenho 10 anos.ok brigado pelo site.

ramone disse...

adorei essas coisas sobre o corpo.a menina (prima da minha amiga) usou esse site para fazer um trabalho da escola.tb eu vou usar esse site maravilhoso para fazer um trabalho da escola.foi marjorie(a minha amiga)q disse esse site pra min pq ele ensina muito.parabens quem fez esse site.muito bem.meu nome é ramone braga de fontes e tenho 10 anos.ok brigado pelo site.

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Ramone: minha alegria e certeza de que se algo podemos fazer, é nosso dever... mudar a vida e florescer no caminho; abs ternos, jorge