sábado, 1 de outubro de 2011

NO CAMINHO DA MUDANÇA; A FLOR GERMINA NA FERTILIDADE DOS CORAÇÕES TERNOS E GUERREIROS...

                                        Jorge Bichuetti

Viver é recomeçar... Porém, recomeçar é muito mais do que simplesmente retomar o caminho... O caminho é uma linha que desenhamos entre o emaranhado das nossas lutas e sonhos... Muitas vezes, o mundo nos asfixia com as cinzas do desânimo e do pessimismo; desalentados, então, seguimos com o fardo das lutas, todavia, sem as poderosas asas dos nossos sonhos mais belos...
Seguir, recomeçando... é, também, soprar o negativismo e respirar o ar puro das nossas utopias... Revitalizar nossa esperança, energizar nossa confiança e em si mesmo e na humanidade... Ensolarar-se de vida...
No entre, da reflexão e das leituras que vida nos permite como instrumento de abandonar as ideias de destrutividade e impotência, acerquei-me da inspiração celta, e ali vi na runa Sowelu - energia - que o processo de invenção da vida nova, devires e experimentações criativas, mudanças... recomeço com criatividade e arte, exige que ergamo-nos do chão, sopremos a poeira do desalento e deixemos nossa consciência se impregnar com as forças vitalizantes do astro-rei que simbolizam nossa potência interior e nossa capacidade de conectarmos com as forças energizantes e inovadoras da natureza... Sentir-se no fluxo da potência renovadora da própria vida...
Caminhando, auscultando a sabedoria dos ameríndios e e ele nos revelam que o tempo de estagnação findou... A vida é movimento... Nomeado por eles de a Roda da Cura... Um caminho de busca e aprendizado, que vai do desconhecimento pueril da infância à compreensão profunda e germinativa... Vivemos ciclos e os ciclos representam momentos da nossa expansão da possibilidade ser e estar... de pensar e agir... de sentir e criar... Observemos o rumo do vento... Escutemos no vento a voz da vida... Não podemos, de fato, recomeçar sem que estejamos abertos aos ventos da mudança... Recomeçar é quebrar a estagnação - reprodução repetitiva e destrutividade nefasta - e ir produzindo no caminho um novo modo de ser... viver, trabalhar, perceber, amar e sonhar... Reinventar a nossa vida, transformando pela luta o mundo...
A mudança não, tão somente , um deslocamento no espaço... e transvaloração: novos valores, novos sonhos... e consequentemente, uma nova inserção no mundo...
Mudemos: de passivos e reativos a ativos e afirmativos; de inseguros e indolentes a vontade de potência, luta aguerrida, sonho afirmado e buscado no caminhar... um caminhar no clarão e nas clareiras do horizonte azul...
Muitas vezes, ouvimos - na vida pessoal e nas coletividades, o chamado do vento: a hora da mudança...
Embora, não possamos negar a necessidade de mudança... não podemos olvidar que a luta pelo novo exige a combinação de uma intensa ousadia como uma extrema prudência...
Há momentos em que os conflitos que devemos enfrentar, exigem de nós uma fina percepção de que nos encontramos fragilizados e que o combate frontal seria um autocídio... é hora de acumular forças, organizar-se, gestar condições... adubar o terreno da sementeira....
O sonho já é um caminho da realidade...
Porém, alimentá-lo somente na ação discursiva acaba por fragilizá-lo... Ele é semente e flor...
Mas, anuncia que a hora já é de frutificação...
Os ventos do oriente... mais dados a serenidade; nos fala da necessidade de preparar o terreno, adubá-lo, regá-lo e descobrir quais são as nossas mudanças primordiais....
O momento Sung - só é um momento de intensificação da nossa capacidade guerreira...
Os sonhos serão semeados, se preparamos o terreno, num campo fértil...
Esta viagem cartográfica pelas culturas nos dão uma compreensão de que vivemos no limiar, entre o abismo e o devir... entre as cinzas do ontem asfixiantes e as florescências do porvir...
Transformemos o mundo, mudemos a vida....
Tomemos o céu de assalto...
Porém, antes, limpemos as cinzas grudadas no nosso corpo; e teçamos asas... uma máquina de guerra não-bélica: amorosa e terna, de afirmação da vida... inventemos dispositivos de atualização das nossas grandes utopias...

2 comentários:

Wellington.L.Debroi disse...

Você mesmo disse caro Jorge, viver é recomeçar! Maravilhoso post. Que Deus o imlumine cada dia mais e que possamos continuar a desfrutar mais e mais de seus textos maravilhosos. Abraços!

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Wellington: sempre recomeçar, reencantando as manhãs... um abraço e grato pelo carinho; abs ternos; jorge