quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

DIÁRIO DE BORDO: MAR, FLORES E SONHOS..( 2 )

                      Jorge Bichuetti

Céu azul, Sol claro . meio-dia... Um blog não é só um blog... é um povo, um povoamento. E lendo, minas postagens alguém , muito valiosa na minha vida., resolveu discordar e pedir que voltasse ao teclado... Me pareceu que gostaria que ousasse o teclado de um piano ou de um bandaleón...
Somos passivos, reativos... Assim, vivemos, escravizados ao destino.. Este cavaleiro que cavalga num cavalo branco, alado, que tanto quanto o próprio cavalo não é real...
Podemos ser ativos... Afirmativos. Podemos... construir um  novo mundo e um novo céu...
Assim, pede a pequena Lua que, reverentemente, abrace , agora, já, o nosso amigo e herói, dos caminhos humanos e das viagens paradisíacas no azul do infinito onde mora a alegria que ainda não logrou florir no chão...
De acordo, eu e Lua abraçamos com carinho e ternura nosso Deus Dionísio...
Com ele , queremos afirmar...
O que pode a ternura que floresce e ilumina os caminhos dos sonhos guiados pela alegria de viver , só para amar...
O que pode um carinho, um afago meigo e doce, cálido e generoso, que nos lembra os límpidos riachos caminhando para o mar, sem deixar de, no trajeto, suas margens de ti receberem o beijo e a carícia que as fazem germinarem flores, frutos e folhagens... um árvore, uma mata... um ninho de passarinho e os reflexos prateados de toda paixão que há no luar...
O que pode um sorriso que parece o céu estrelado, cheio de vida que afugenta as trevas da escuridão nas incertezas da noite, nos sussurros da saudade e no cio de um coração que desejante consegue , olvidar-se por inteiro dos espinhos da jornada, para seguir com ousadia os imperativos do corpo que pulsa, baila e canta à espera de um outro corpo para uma suave, intensa, selvagem e delirante união...
O  que pode a alegria... Pode devir-se festa e dança, uma louca e serena festança... Pode devir-se sensualidade que rasga o corpo egoísta e o refaz hedonista na magia dos encantos que moram, silenciosas, numa estrela, distante e perto, chamada de " meu coração"... sempre incompleto pois se vê mais coração na matilha do amor que nos une à multidão.
O que pode a folia... Com seus tambores e atabaques, violas e pandeiros... Cantoria e beleza, sexo  na magia e magia no amar.. pão e vinho... uvas frescas e um verso travesso ditado  junto ao encontro dos lábios e da pele dos corpos liberados da repressão dominante que acinzentam os dias e nublam a lua, esta fiel escudeira da alegria que persevera até  os raios da aurora.... para só, então, descanhar...
Ave, ave, Dionísio... Mesnestreu da alegria... Dadivoso amigo da noites de luar...

7 comentários:

Marta Rúbia de Rezende disse...

É que estou possuída pelo Bachus.

Não é discordância. É jogo, brincadeira.

Agora vou me embora, prenda minha, para a universidade em Santo André. Lá vem Apolo. Ele sempre vem.

b
M

Anne M. Moor disse...

Jorge

"Um blog não é só um blog... é um povo, um povoamento."

Também é um espaço de se escrever, se jorrar na tela e de surpreender com as consequências...

Beijos
Anne

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Anne,algo que me encanta e surprende nos povoamentos dos blogs, é que enquanto a poesia já parace não ocupar um lugar tão importante no mercado , ela é uma chama, uma flor e uma estrela que ilumina e agrega, gera vida e ressônancias amorosas num território de ternura e visceralidade que anda escaso na mídia formal...
Abraços com carinho, Jorge

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Martinha, sua vida é ,para mim, uma aventura dionísica e uma labuta apolínea... Uma caminhada cheia de flores, estrelas, livros, pelejas e cantorias... uma taça de umbom vinho com uma árdua e profícua reflexão...
Abraços , Jorge...

Marta Rúbia de Rezende disse...

Jorge, querido, fiquei encanada,reocupada um pouco. Sai, choveu, encheu, voltei. Não dá para circular na city aguada. Mas não vamos fazer água na nossa amizade. Gosto de brincar, inter-blogs. Mas às vezes, dá confusão.

Nada a refletir profundo porque não há nada de profundo. É na pele mesmo. A alegria que tenho hoje é na pele. Por isso, pode chover até canivete em Sampa. Quando parar vou pra rua outra vez. Sem demostrar a alegria pra não dar mais bode... Preciso da rua, estou cheia de computador e de livros e de idéias e de filosofia e de poesia e de música etc. Até as tampas.
Sei que há um anjo cuidando do ciberespaço.
Obrigada
beijo
M

Marta Rúbia de Rezende disse...

Quanto ao vinho, Jorge. Adoraria mais que uma taça. Mas Apolo já avisou: cuida da sua colite. Há duas semanas que não cheiro álcool e cigarros. Estou tentando melhorar uma dorzinha chata que vira dorzona de madrugada.
beijo
M

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Marta, a liberdade , já dizia Foucault, é cuidar de si...
A rua sempre estará bela e lleve, ainda que pese as transformações...
Somos nômades, mesmo em u quarto com nossa capacidade de voar e sonhar... O resto é o silêncio...
Beijos de carinho, ternura e profunda admiração...Jorge