sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

DIÁRIO DE BORDO: REDEMOINHOS, ARCO-ÍRIS E GIRASSÓIS

                                                                          Jorge Bichuetti

Há muito se foi a última estrela... Novo dia. Alvorecer orvalhado de poesia e ternura. O carinho dos amigos alimentam a vida; se fazem seiva e nos permitem devir e florir.
A pequena Lua já anda enciumada. Percebe que nós, os que nos conectamos através, deste blog... estamos devindo-nos uma sociedade de amigos. Amigos da vida e da alegria, do amor e da suavidade...
Somos uma caminhada...
A vida é a estrada... A poeira e os horizontes encantados; as curvas, desvios e as encruzilhadas...
Quase nunca damos valor às encruzilhadas.
Ali, uma flor, uma vela e um litro de cachaça, recorda-nos a fé e a esperança de alguém que passando, deixou sua presença e marca...
Ali, um carro parado serve de leito e re-canto para um clandestino amor...
Ali, a vida e seus espasmos.
Há um redemoinho... Nele, se oculta o diabo.
" O diabo não existe. Se existe, existe... homem humano. Travessia..."  ( Rosa )
Temos sonhos e desejos, amores e alegres voos, aqui e acolá.
Contudo, todos temos nossas encruzilhadas e nossos redemoinhos.
Podemos, neles, ficarmos paralisados. Inertes, apáticos, filhos do desencanto e da própria desilusão.
Canta a vida: "levanta... sacode a poeira... e dá volta por clima."
Diante das dúvidas, problemas, quedas, erros, equívocos, desenganos, derrotas, perdas... ali, na lágrima que cai, no suspiro que nos assusta... no aperto da angústia... estamos no meio de um redemoinho, num encruzilhada.
Se vemos o diabo, o diabo nos contagia e vence, nos desanima e nos esgota... nos aprisiona na sua rede de pessimismo , derrotismo e desesperança.
Ali, também, está o Homem-Travessia... A mudança, o recomeçar, o se reinventar e criar o um novo caminho.
A hora, então, é de vasculhar gavetas, limpá-las, re-fazer nossas malas e, dando a volta por cima, ressurgir , novamente com nossa posição de desejo e vontade de potência. Sonhos e luta... Caminhada guerreira.
Para além da encruzilhada, há um horizonte azul...
Para além da tempestade, brilha o arco-íris e sua magia de renovação e vida nova...
Para além do chão árido da desilusão, crescem e florescem os girassóis...
Cantaremos:" mas, valeu a pena, ter amanhecido"...
Livre, de novo, voaremos...
                                                    ***
Dona Marta Suplicy... trabalha: anuncia sua disposição de lutar no congresso pela união civil dos gays, pela discriminalização do aborto, pelos direitos humanos e criminalização da homofobia.
Mubarak... assusta o mundo, dizendo: fico. Os protestos continua, o povo egípcio resiste... e o mundo espera... contando mortos e feridos.
Governo decide salvar Banco Privado; porém, titubeia na tabela o imposto de renda e na aprovação do salário mínimo. Triste país que não se pronuncia... Vê, calado... as disputas partidárias acima do valor que se dá a um povo e à própria vida.
A crise continua...
Quando tomaremos as rédeas do nosso próprio destino?...
                                                    ***
Um novo dia... Aqui, estamos... aqui, estaremos...
Refletindo... vivendo... lutando...  buscando o novo e o devir.
Poetizando, as dores e os sonhos... na esperança que adubemos nosso campo e nossos corpos, para o reluzir de um novo dia.
Universidade Popular... Carnaval da Inclusão... Cuidado e acolhimento: que seja nossos sonhos e o pão nosso de cada dia.
Verdejar...
Florescer...
Brilhar...
"Gente é feita para brilhar"...
Brilhemos, meus amigos, refazendo nossa caminhada com engajamento e poesia, semeando contestando, dialogando e sonhando com direitos humanos, solidariedade, ternura, uma nova suavidade, amores, pães e liberdade... Um sol de todos e com todos... O sol de um novo dia.

2 comentários:

Marta Rúbia de Rezende disse...

Jorge querido, que lindo o Egito hoje. Que povo. Que garra. Que gana. Que exercício de liberdade. Que desejo de devires mágicos. O Egito é uma pérola brilhante no oceano. Alah meu bom Alah!!!!!!!!!
beijo
M

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Marta, Marta... o mundo vem se revelando mais pootente nas lutas, resistências e novos modos de sonhar... Vibrei, também... Um carinhoso abraço, Jorge