terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

SOCIEDADE DE AMIGOS: SEXO, AMOR E POESIA

                   A PARTILHA DO AMOR
                          Paulo André Lacerda Alves

Do afeto que reservo com carinho,
entre as jóias que te confio,
toma que é teu, é dado...
O brilho desta jóia que usas
no escuro em que brilhas
à luz de um quarto fechado...

O corpo suado sente
negro perfume;
dos sentidos confusos,
sinfonia em singelos acordes,
suaves, sufocados,
prontos para a partilha do amor...

Sintonizados na beleza
de sermos donos do mundo;
libertos, com o fruto na boca...
Seiva suave escorre de teus lábios
e toma você por inteira
na hora em que te deitas... sobre meus braços.

                  

                










            
         
      SEXO VISCERAL...
                         Paulo André Lacerda Alves
Te trago calma;
porque meu sorriso belo,
conforta-te quando possuo
o dom de te desvendar
sem nada te perguntar

Meu aconchego é certo
e anuncio feliz que ao te ver plena,
meus músculos se relaxam
e me dôo a musica
que nos embala, com calma,
nesta noite estrelada...

No vinho, o contraste
te tua pele branca
e os fios finos de cabelo negro
que escorrem nas curvas...
Curvas de deus....
Que curvas Meu deus!

Já ébrio, me envolvo
na geografia de teu corpo
para, dos montes ao vale, descer
e me saciar no seu orgasmo...
Aos poucos perceber,
você lânguida a me olhar

Você não quer comer
e eu quero conversar.
Começamos a sorrir
e do mundo gozar...

E só assim, desse jeito,
que acordamos de manhã;
então, tomamos banho e café,
para depois trabalhar...



















   

10 comentários:

Samara disse...

Dez Chamamentos
Ao Amigo
de Hilda Hilst


Se te pareço noturna e imperfeita

Olha-me de novo. Porque esta noite

Olhei-me a mim, como se tu me olhasses.

E era como se a água

Desejasse



Escapar de sua casa que é o rio

E deslizando apenas, nem tocar a margem.



Te olhei. E há tanto tempo

Entendo que sou terra. Há tanto tempo

Espero

Que o teu corpo de água mais fraterno

Se estenda sobre o meu. Pastor e nauta



Olha-me de novo. Com menos altivez.

E mais atento.

(I)

[Poesia: 1959-1979 - São Paulo: Quíron; (Brasília): INL, 1980.]

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Samara, sempre encantadora! Abraços, Jorge

Josiane disse...

Paulo, são lindos seus versos, nos exprimem o que há de mais víscero na idiossincrasia do amor!

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Josie, viu... já somos uma sociedade de poetas! Loucamente, poéticos.
Abraços, do teu amigo, Jorge

Paulo Lacerda disse...

Caros amigos!

É bom por demais poder partilhar aqui, me sinto a vontade para dividir, receber e sair mais pleno! com o carinho dessa sociedade de poetas... Um abraço afetuoso Samara, Josi e Jorge!

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Paulo, poeta, dos encantos e dos prazeres, da vida libertária e do próprio alvorecer...Teus poemas encantaram... com ternura e sensualidade falaram da liberdade do amar e do sonhar dos que crêem na vida bela que mora além do céu nas entranhas do luar.
Abraços, com carino e ternura, Jorge

Lillian disse...

Quanta coisa tem para partilhar!
Poemas fortes!
Parabéns!

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Lillian, a poesia potencializa a vida e as trocas, pois, com ela falamos do indizível e do inominável... Do vivido e do que está nas entranhas do por-vir, Abraços, Jorge

Lillian disse...

Abraços!

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Sigamos, Lillian, na ternura de uma sociedade de amigos.
Abraços,
alegria e vida...
Jorge